31 de outubro de 2011

Dia D - Drummond, o encantador poeta: Comemore o nascimento do grande poeta brasileiro.


Escultura de Drummond na calçada de Copacabana - 2011

Hoje, o dia D, de Drummond. Poeta encantador, das faces secretas, dos encantos do MAR, do meio do caminho, as pedras que podemos navegar.Carlos Drummond de Andrade, uma intensa homenagem ao dia de seu nascimento, e que felicidade para nós, leitores apaixonados por sua literatura.
Hoje ao visitar a Livraria Cultura, pude procurar a poesia de Drummond, e deparei-me com um livro infantil, Que felicidade!

Curiosa para compartilhar no Tecergirassóis, comprei, e claro, breve colocarei a resenha.
O título do livro é belo: História de dois amores, sobre um casal de elefantes.
Olhem abaixo:




E também trouxe vários adesivos, deste dia marcante, o Dia D. O meu foi investigativo literário, e saber que Drummond tem a veia infantil, UM INTENSO PRESENTE para mim, para nós, leitores da literatura infantojuvenil.

Hum, claro, quero compartilhar a minha foto ao lado deste célebre poeta!

Meu amigo Drummond e Eu, Replithgirassol, antecipadamente comemorando o niver de 100 anos dele.



O mundo é grande


O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar. 


(Carlos Drummond de Andrade in “Amar se Aprende Amando”)



Conheça o site Dia D, Drummond, grave um vídeo com sua poesia preferida, Clique AQUI


Para os leitores do TecerGirassóis, claro, um sorteio de 5 adesivos do Dia De marcador do Tecer. Você quer?
Comenta e diz que poema de Drummond você conhece. A mensagem mais poética, GANHA!
Sexta-feira, faço a escolha.


5 comentários:

  1. São muitos os poemas de Drummond que me encantam,mas de todos ,pra mim o mais profundo é A FLOR E A NÁUSEA.O poeta nos demonstra sua revolta em relação ao comportamento humano,sua indignação perante à frieza do indivíduo para com o próximo.Os homens só enxergam e se limitam as notícias fragmentadas dos jornais, enquanto ele,com sua sensibilidade de poeta vaga sem rumo por esse mundo tão duro,seco de sentimentos.Ele quer vomitar sua náusea, sua liberdade.E chega a perceber que de nada serve a literatura em si.

    ResponderExcluir
  2. Carlos Drummond de Andrade, maravilhosos, imortal são suas palavras. Um poema que eu amo dele é "As sem-razões do amor", é lindo e soberano.
    Um trecho abaixo para recordar
    Amor é dado de graça,
    é semeado no vento,
    na cachoeira, no eclipse.
    Amor foge a dicionários
    e a regulamentos vários.

    Demais!!

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Oi Renata!

    Drumnond é um autor que eu deveria conhecer muito mais. Confesso que os tempos de escola são responsáveis por uma série de autores que não procurei mais. Hoje claro, aos poucos, vou procurando conhecer melhor nomes como o dele.

    ;D
    http://janinestecanella.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. "O mundo é grande


    O mundo é grande e cabe
    nesta janela sobre o mar.
    O mar é grande e cabe
    na cama e no colchão de amar.
    O amor é grande e cabe
    no breve espaço de beijar. "

    Sim, eu tive que copiar esse de ti Renata, era o único poema que eu realmente tive um contato mais íntimo. Aos 15 anos anotei em meu caderno de mensagens e aos 19 anos usei em uma cartinha para o meu namorado que ele tem guardada até hoje. O referido verso eu cheguei a decorar, é uma daquelas mensagens que a gente lê e grava na memória para sempre, assim como Drummond ficará em nossas mentes para toda a eternidade. Pois como o título do poema mesmo diz: Amar se aprende amando. Não é nada elaborado, não vem de uma hora para outra, é um amor nascido com o tempo, com o contato, com sorrisos, seja o amor pela literatura, seja o amor pela pessoa que está ao seu lado.

    Beijinhus
    Babih Hilla
    http://revolucionandogeral.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. "O mundo é grande


    O mundo é grande e cabe
    nesta janela sobre o mar.
    O mar é grande e cabe
    na cama e no colchão de amar.
    O amor é grande e cabe
    no breve espaço de beijar. "

    Sim, eu tive que copiar esse de ti Renata, era o único poema que eu realmente tive um contato mais íntimo. Aos 15 anos anotei em meu caderno de mensagens e aos 19 anos usei em uma cartinha para o meu namorado que ele tem guardada até hoje. O referido verso eu cheguei a decorar, é uma daquelas mensagens que a gente lê e grava na memória para sempre, assim como Drummond ficará em nossas mentes para toda a eternidade. Pois como o título do poema mesmo diz: Amar se aprende amando. Não é nada elaborado, não vem de uma hora para outra, é um amor nascido com o tempo, com o contato, com sorrisos, seja o amor pela literatura, seja o amor pela pessoa que está ao seu lado.

    Beijinhus
    Babih Hilla
    http://revolucionandogeral.blogspot.com

    ResponderExcluir