6 de junho de 2011

Segunda Ilustrada: Cris Alhadeff, aos olhos de Alex Gomes





Estava consultando, apreciando o livro Alice faz aniversário, da Zit Editora, e depois fui conversar com Alex Gomes, ou melhor, Alexandre de Castro Gomes, escritor, sobre contatos de ilustradores, para justamente iniciar a trajetória da Segunda Ilustrada.
Comentei sobre a Ilustradora Cris Alhadeff, e fui pesquisar. Mas antes disso, descobri neste pequeno universo, Alex é esposo de Cris. Amei!!!
Além disso, nosso querido parceiro, Alex tem livros cuja ilustração foi feita pela Cris.

Este será o primeiro contato com este casal, mas tem muita coisa por ai, Aguarde!!!

Encontrei na AEILIJ PAULISTAAssociação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil do estado de São Paulo, o chamado vice e versa, em que Alex entrevista Cris e vice e versa.
Após a FNLIJ, iremos entrevistar Cris e Alex. Mas tinha que colocar este, pois está maravilhoso, e informo-lhes os créditos da AEILIJ.
Quem quiser acessar, na íntegra, basta clicar no nome em azul.

Vocês, curtam a maravilhosa Ilustradora  Cris Alhadeff


 Perguntas de Alexandre de Castro Gomes para Cris Alhadeff


1) O primeiro livro publicado com suas ilustrações foi lançado em meados do ano passado. De lá para cá já são 12 obras com seu traço, sem contar sua participação na primeira antologia da AEILIJ, o livro "Trem de Histórias". Dá tempo de fazer outras coisas?

Não acho que seja muito, não. Olha só: comecei a ilustrar LIJ em 2009, com Condomínio dos Monstros e Alice Faz Aniversário, que foram publicados em 2010. Logo depois vieram o Baile das Caveiras, Alfinete, o Porco-espinho e o Vou Contar um Segredo, Uma História Cheia de Medo (todos também de 2010). Depois foi a vez de uma antologia de fábulas, do Festa do Calendário, do O que é que não é?, do O Senhor dos Dragões, e do Era Uma Vez, Uns Três (que estou ilustrando). Tenho mais três em produção, aos quais vou me dedicar em seguida, mas que já estão bem adiantados. Cada um com seu estilo, o que me traz a possibilidade de experimentar, que é o que eu mais gosto. Fora isso, continuo como webdesigner, trabalho que faço desde 98, tenho desenvolvido imagens para publicidade e estou me dedicando também ao design de superfície, que é uma delícia de fazer.



2) Você compra livros pela capa? A beleza de um livro está somente nas mãos do ilustrador?

Não posso dizer que compro, mas é claro que é o primeiro fator que me atrai ao livro, como ilustradora e não como consumidora em potencial (mãe) Uma bela capa, instigante, com um título inteligente, engraçado... Uma edição, que surpreenda pelos materiais utilizados é sempre uma delícia. Mas sempre tendo a criança em mente. Ela é o público alvo. É ela quem tem que ser cativada pelo livro. Na minha opinião existem muitos livros por aí que não são produzidos pensando no público infantil. São livros elaborados, caprichados, mas que são para inglês ver. Livros que tanto o texto quanto a ilustração são feitos para arrebatar o adulto, com um conteúdo que se revela morno sob o olhar infantil. Quantas vezes li livros premiadíssimos para meus filhos e os vi demonstrar empolgação zero? Acho que isso deve ser repensado.

3) Como o convívio com seus filhos influencia suas ilustrações?

Posso dizer que foram meus filhos que me fizeram redescobrir o mundo da literatura infanto-juvenil, e que através desse resgate, descobri a minha praia. Adoro ilustrar LIJ. Gosto demais de frequentar livrarias com meus filhos e descobrir com eles novos livros para explorarmos juntos. Tem muita coisa boa sendo produzida. Eles participam muito do meu processo criativo, opinam, sugerem...desenham muito, paralelamente, sempre tentando acrescentar suas ideias. Trazem da escola livros, para lermos juntos, que, imaginam, vão me trazer alguma surpresa, alguma novidade. Muito legal, também, é ver que eles já reconhecem alguns ilustradores pelo traço. Olham e dizem:
- Olha lá um livro da fulana, ou do fulano!

4) Você ilustrou dois dos meus livros: "Condomínio dos Monstros" e "Festa do Calendário", e está atualmente ilustrando o terceiro, "Pinguina vai ao Polo Norte". Qual a melhor parte de morar com o escritor? E a pior? Pode botar a boca no trombone. Mas, pega leve, viu?

Para mim é um privilégio dividir a vida com um escritor : podemos trocar impressões, opiniões e emoções. Por outro lado, é estranho ter o autor do livro, que estou ilustrando, assistindo passo a passo do meu processo de criação e opinando ativamente em cada detalhe. Ainda estou me acostumando com isso. Tudo é um processo: a cada livro, minha produção fica mais rápida e mais elaborada - à medida que vou ficando mais à vontade com tipos diferentes de materiais e suportes. Para experimentar, preciso de textos, e ter você por perto é diversão garantida.

Ainda hoje, colocarei a #Promo de Niver do TecerGirassóis, são 6 meses, e que trago-lhes esta nova segunda, sempre ilustrada, com novos queridos artistas, encantando as páginas dos livros.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Adorei a entrevista Rê!
    Deve ser legal um casamento como esse! Ele escreve e ela traduz tudo em imagens! Que fofo^^

    Vou esperar a promo dos 6 meses!! PARABÉNS!!

    Danni

    ResponderExcluir
  3. Ótima entrevista! Um encontro entre eles não poderia ser melhor. Compartilham a mesma arte só que de formas diferentes. Gostei!

    ResponderExcluir
  4. Adorei esse menina. HAHAHA'
    Ah, eu na maioria das vezes compro um livro pela capa e pelo resumo. Muito sucesso para o casal!

    ResponderExcluir