20 de setembro de 2010

Escritor Mineiro Leo Cunha em entrevista exclusiva

O escritor, jornalista e poeta mineiro Leo Cunha lançou na última bienal de Minas Gerais, o Livro de Poemas: Vendo Poesia. Pedimos e com muita gentileza e carinho Leo concedeu-me uma entrevista, assim  ofertamos aos educadores, contadores e aos célebres apaixonados pela literatura  esta possibilidade de aproximação entre texto e seu criador.

Agradeço a Leo Cunha a sua atenção em nos presentear com esta tecitura de palavras.

Vamos lá!
Leo Cunha, Arquivo pessoal cedido ao blog tecer girassois.
1. Como é ser tantas coisas: Jornalista, Escritor, Ilustrador? Como estas multifacetas se encontraram e se encontram ?

Leo Cunha - Antes de mais nada, quero esclarecer que eu não sou ilustrador. O único caso em que eu criei as imagens foi no "Vendo Poesia", pois é um livro de poesia visual, um tipo de poesia em que o texto e a imagem se fundem e se confundem. Mas é um caso isolado. Normalmente, eu prefiro deixar as ilustrações para os artistas profissionais. Aliás, tenho tido muita felicidade: já tive livros ilustrados por feras como André Neves, Eliardo França, Flávio Fargas, Graça Lima, Guto Lins, Marilda Castanha, Nelson Cruz, Roger Mello, entre outros. E vários livros meus já foram premiados no Jabuti ou na FNLIJ, pela ilustração: O sabiá e a girafa, Clave de Lua, Joselito, Cantigamente.

No dia a dia, eu concilio três "trabalhos"

Sou escritor, com mais de 40 livros publicados. Ano que vem completo 20 anos de literatura infantil, pois minha primeira história foi publicada em 1991; Sou jornalista, atuando sobretudo na área de cultura. Tenho uma coluna na web-revista de cinema Filmes Polvo (www.filmespolvo.com.br) ;E sou professor universitário, desde 1997. São três ofícios diferentes, mas interligados, pois todos estão ligados à palavra, à construção de histórias e personagens. 
2.Existem percepções diferenciadas da ilustração perante a pintura. Quais são e o porquê?
Leo Cunha- Acredito que a ilustração, por quase sempre estar vinculada a um texto ou idéia prévia, acaba sendo vista com preconceito por alguns artistas plásticos. Mas, da minha parte, considero os ilustradores como artistas plenos e essenciais para a literatura infantil.

3. Como sincronizar o texto literário com a  ilustração, que critérios, você, como ilustrador  segue? E com  relação as suas obras ilustradas.Como se estabelece a escolha, eles sugerem ou você os deixa  livre para criar  as dinâmicas imaginéticas?

Leo Cunha - Como expliquei acima, eu não sou um ilustrador, criei apenas as imagens para o livro de poesia visual "Vendo poesia". Nos meus outros livros, procuro não interferir no trabalho do ilustrador, ou seja, não faço sugestões nem peço que o ilustrador siga esta ou aquela técnica. Prefiro ser supreendido pela criatividade do ilustrador.

4.Quais as suas linhas de trabalho literária, os recursos, técnicas que utiliza nas produções?

Leo Cunha- Já tenho cerca de 50 livros publicados, nos mais variados gêneros: crônica, poesia, poesia visual, prosa poética, conto, novela, adaptação, tradução, reconto. A maioria dos meus textos tem um forte componente humorístico, mas também já me aventurei pelo terror, policial, história de amor.

5- Raimundo Carrero (Escritor Pernambucano), quando questionado sobre a produção literária, diz: é 1% inspiração e 99% trabalho. Que comentário faz desta afirmação? Como se estabelece o seu trabalho literário?

Leo Cunha- Concordo com o Carrero. Minha rotina de trabalho é muito baseada na reescrita. Eu faço inúmeras versões dos meus textos, mudo muito, aumento, corto, experimento diferentes pontos de vista. O ponto de chegada é sempre muito diferente dos primeiros rascunhos.Além disso, eu não acredito que exista um texto pronto, definitivo. Várias vezes eu já transformei um poema num texto narrativo, uma crônica numa novela, gosto de testas os limites entre os gêneros.
6. Com a tecnologia digital, que recursos digitais utiliza para criar suas obras?


Leo Cunha- O único caso em que usei de softwares mais sofisticados na criação literária foi no livro "Vendo Poesia", onde recorri a programas como Photoshop e Illustrator.


7. Como foi ilustrar a sua própria obra: Vendo Poesia?
Leo Cunha- Este foi um trabalho muito marcante para mim, particularmente porque eu não me considero um ilustrador. Levei vários anos para criar, aperfeiçoar e finalmente produzir digitalmente as imagens e o projeto gráfico do livro. Foi um trabalho extenuante e muito desafiador. Mas eu estava convicto de que não haveria outra forma de produzir este livro, senão encarando todas as etapas do processo.  

Maiores informações sobre o Autor, visite os links abaixo:

Quer conhecer melhor a obra e vida de Leo Cunha:
 Sitehttp://www.leocunha.jex.com.br


Link do Livro Vendo Poesia:
Link da crítica sobre o livro: Vendo Poesia, que fiz logo que o livro me foi entregue, pois me encantei com a linguagem visual, o envolvimento e a condução poética das palavras, podem ler, só basta clicar em uma das palavras, abaixo:



2 comentários:

  1. aqui cade o seu conto quem mandou? e muito legal gostei me aceita la no msn ticofuracao2000@hotmail.com e igual oo do orkut fica com deus ae e continua a fazer contos e historias bgd por me fazer voulta a ler

    ResponderExcluir
  2. Ola meu nome e Jamili eu li um livro chamada Discurso do urso e estava escrito traduçao;Leu Cunha e ache imteresante e fui proucura a saber eu ache muito legal eu adoro ler livros xau beijos e abrasos.

    ResponderExcluir